Escolas de São Vicente de Alcabideche | Projeto Educativo de Escola
252
page-template-default,page,page-id-252,page-child,parent-pageid-219,ajax_fade,page_not_loaded,,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Projeto Educativo de Escola

Bem-vindos às nossas escolas. Estamos ao serviço da comunidade educativa de Cascais nos setores da infância e do pré-escolar, sob o título “Escolas de São Vicente”, em quatro pólos espaçados pelos quarenta quilómetros da freguesia de Alcabideche.

Implantados há três décadas no maior território do concelho, é nossa intenção amplificar, cada vez mais, a ação pedagógica que desenvolvemos.

Procuramos nos nossos processos didático-pedagógicos incutir uma aprendizagem axiológica de inspiração cristã, em íntima comunhão com a diocese de Lisboa e com o Magistério universal da Igreja.

Convocar a vontade e a iniciativa de cada aluno na direção do aperfeiçoamento proposto nos Evangelhos é prioritário em cada uma das quatro escolas de São Vicente.

Sabendo que é do coração que procede a vida (cf. Pr 4, 23), pretendemos, desde os primeiros dias da existência de cada aluno, ordenar as suas competências cognitivas para o que é o essencial segundo os valores de inspiração cristã que constituem o nosso programa educativo. Este “educar para a liberdade”, tal como nos é proposto na mensagem evangélica, radica no ensino daquilo que é o mais importante sob o ponto de vista de valores. O ensinar a discernir, a priorizar os interesses em cada aluno é fundamental para nós. Só é livre quem souber escolher, após a aprendizagem do discernimento cristão, “a melhor parte” (Lc 10, 42).

Tente saber como funcionamos, vindo visitar-nos e conhecer-nos. Estamos ao seu dispôr.

Prior P.José Paulo Machado

I. Apresentação 

O Projeto Educativo de Escola é uma ferramenta essencial na área educativa. É elaborado e realizado em benefício de todos os intervenientes da comunidade educativa e serve de orientação para as ações e estratégias que pretendemos executar.

Este projeto procura dar a conhecer a identidade das Escolas de São Vicente, a nossa missão, os valores em que acreditamos e que são fundamentais para o desenvolvimento harmonioso de todas as crianças que passam pelas nossas Escolas.

A necessidade de nos querermos afirmar como uma Escola de excelência e com uma identidade própria, motivou-nos a realizar uma análise criteriosa das nossas Escolas, da qual aferimos os pontos fortes e os pontos a melhorar. Através deles conseguimos encontrar as nossas prioridades, estabelecendo posteriormente os objetivos e as metas a alcançar.

A missão educativa intrínseca a este projeto baseia-se em investir continuamente na melhoria da qualidade educativa, garantindo maior eficácia em todos os processos educativos por forma a satisfazer as necessidades das nossas crianças.

É nossa intenção que este Projeto seja um instrumento para que toda a comunidade educativa o utilize de forma ativa e não estática, sendo por isso um documento sujeito a avaliação e revisão anual.

Através deste Projeto pretendemos criar uma imagem positiva das nossas Escolas e mostrar todo o trabalho já realizado e aquele que nos propomos concretizar.

II. As Escolas de São Vicente – Organização

As Escolas de São Vicente são constituídas por quatro equipamentos, distribuídos estrategicamente por locais da Freguesia de Alcabideche, zonas estas onde se sentiu mais necessidades de possuir resposta para a área da infância.

O primeiro equipamento de apoio à educação foi criado a 23 de Outubro de 1983 em Alcabideche, atrás da Igreja Paroquial. Este ano foi edificado um novo equipamento junto à antiga Escola pois era visível e impreterível dar continuidade a uma das nossas grandes prioridades que é a satisfação dos crianças, oferecendo-lhes boas instalações onde possam aprender, brincar e viver em sociedade.

Com estas obras considerámos pertinente expandir a creche com uma sala de berçário de forma a dar resposta à procura que se faz sentir na comunidade local, juntando-se assim às salas de creche e pré-escolar já existentes nas antigas instalações.

Esta Escola abrange um total de 111 crianças e é constituída por seis salas, três de creche incluindo um berçário e três de pré-escolar, uma sala polivalente, um refeitório e uma copa, uma sala de direção e uma sala de isolamento. No exterior existe um excelente espaço de recreio, jardins e uma horta pedagógica.

Possui outros serviços tais como as atividades extracurriculares que são a ginástica, a música e o inglês.

O corpo docente é constituído por 5 Educadoras de Infância, 6 Ajudantes de Ação Educativa, 1 Auxiliar de Ação Educativa e 1 Ajudante dos Serviços Gerias.

Em Fevereiro de 1992 o Centro Paroquial inaugurou a Extensão de Alvide, atualmente intitulada Escola de São Vicente Alvide com valência de creche e pré-escolar, a funcionar na Rua Furriel João Vieira.

De todas as Escolas de São Vicente, esta é a que acolhe maior número de crianças totalizando atualmente 143. Possui uma sala de creche e cinco salas de pré-escolar onde as crianças estão em constante descoberta do mundo que as rodeia, para além de que, adquirem aprendizagens significativas e importantes para a entrada no primeiro ciclo.

Possui ainda uma sala polivalente, outras salas de apoio às atividades extracurriculares e às atividades com crianças com necessidades educativas especiais, uma sala de direção, um refeitório, uma cozinha e uma sala de isolamento. No exterior existe um espaço amplo com jardim, uma horta pedagógica e um recreio com diversos equipamentos.As atividades extracurriculares existentes nesta Escola são a música, o yoga, a ginástica, a dança, o judo e o inglês.

O corpo docente é constituído por 6 Educadoras de Infância, 6 Ajudantes de Ação Educativa, 1 Ajudante dos Serviços Gerias e 1 Administrativa.

Devido ao grande aumento da população da freguesia, sentiu-se necessidade de alargar a rede de Escolas do Centro. Assim a 27 de Setembro de 1999 arrancaram as obras para a construção de mais unidade de resposta socioeducativa. Desta feita, no dia 01 de novembro de 2002, a Igreja do Bairro Calouste Gulbenkian, em Alcoitão, recebeu nas suas instalações uma Escola com valência de creche e pré-escolar, inaugurada pelo Senhor Patriarca de Lisboa, D. José da Cruz Policarpo.
Esta Escola tem capacidade para 95 crianças e é constituída por um escritório, cinco salas em que duas são de pré-escolar e três de creche, uma sala de apoio às atividades com crianças com necessidades educativas especiais, um refeitório, uma cozinha, um auditório e um salão polivalente.

As atividades extracurriculares presentes nesta Escola são a música, o yoga, a ginástica, a dança, o judo e o inglês.

O corpo docente é constituído por 4 Educadoras de Infância, 5 Ajudantes de Ação Educativa, 1 Auxiliar de Ação Educativa e 1 Ajudante dos Serviços Gerias.

O último aparelho de promoção da educação foi inaugurado no dia 20 de Fevereiro de 2011, na povoação de Janes/Malveira. Integrando um Complexo Paroquial com uma Igreja dedicada à Nossa Senhora da Conceição, esta extensão do Centro Social Paroquial de São Vicente de Alcabideche encontra-se preparada para promover a resposta social de creche com 72 crianças.

Abriu portas em Setembro de 2013 com cinco salas de creche, uma sala de isolamento, uma sala de direção, uma sala de educadoras, um refeitório e uma copa. Possui também um espaço amplo no exterior onde as crianças podem brincar.

As atividades extracurriculares existentes nesta Escola são a música, o yoga e a ginástica.

O corpo docente é constituído por 5 Educadoras de Infância, 6 Ajudantes de Ação Educativa, uma Auxiliar de Ação Educativa e uma Ajudante dos Serviços Gerias.

III. As Escolas de São Vicente – Qual a nossa ambição?

3.1. Visão 

É nossa ambição oferecer a todas as crianças um ambiente acolhedor, seguro, sustentado nas raízes cristãs que defendemos, e promover os “…valores morais, sociais e éticos e incutindo hábitos de trabalho, que lhes permitam crescer em harmonia com a família e a sociedade em geral.”

A criança está em constante interação com o mundo, com os pares e com os outros sendo por isso pertinente conduzir as crianças a construírem valores morais, éticos e sociais saudáveis numa perspetiva de uma educação para a vida em constante evolução.

3.2. Missão

A nossa missão é investir continuamente na melhoria da qualidade educativa, garantindo maior eficácia em todos os processos por forma a satisfazer as necessidades dos nossos crianças.

3.3. Princípios Orientadores 

Este Projeto Educativo tem como princípios orientadores os quatro pilares da educação. Estes pilares resultaram do trabalho da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Daqui surgiram paradigmas e modelos de uma educação para toda a vida em que é necessário aproveitar e explorar, do começo ao fim da vida, todas as ocasiões de atualizar, aprofundar e enriquecer estes primeiros conhecimentos, e de se adaptar a um mundo em mudança. Para isso, cada indivíduo deve, ao longo da sua vida, aglomerar-se de quatro aprendizagens fulcrais são elas: Aprender a viver juntos, Aprender a ser, Aprender a conhecer e Aprender a fazer. 

Aprender a viver juntos desenvolvendo a compreensão do outro e a perceção das interdependências — realizar projetos comuns e preparar-se para gerir conflitos — no respeito pelos valores do pluralismo, da compreensão mútua e da paz. Aprender a ser, para melhor desenvolver a sua personalidade e estar à altura de agir com cada vez maior capacidade de autonomia, de discernimento e de responsabilidade pessoal. Para isso, não negligenciar na educação nenhuma das potencialidades de cada indivíduo: memória, raciocínio, sentido estético, capacidades físicas, aptidão para comunicar. Aprender a conhecer, combinando uma cultura geral, suficientemente vasta, com a possibilidade de trabalhar em profundidade um pequeno número de matérias. O que também significa: aprender a aprender, para beneficiar-se das oportunidades oferecidas pela educação ao longo de toda a vida. Aprender a fazer, a fim de adquirir, não somente uma qualificação profissional mas, de uma maneira mais ampla, competências que tornem a pessoa apta a enfrentar numerosas situações e a trabalhar em equipa. Mas também aprender a fazer, no âmbito das diversas experiências sociais ou de trabalho que se oferecem aos jovens e adolescentes, quer espontaneamente, fruto do contexto local ou nacional, quer formalmente, graças ao desenvolvimento do ensino alternado com o trabalho.

Assim sendo, o principal objetivo do nosso plano educativo é que as crianças aprendam a socializar, aprendam a estar com outras pessoas fora do contexto familiar, aprendam a cumprir regras de convivência, aprendam a ser autónomas e independentes, aprendam coisas novas, aprendam experimentando.

Outros princípios e fundamentos pedagógicos pelos quais nos guiamos são aqueles que vêm contemplados nas Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar. São eles, o desenvolvimento e a aprendizagem devem ser vertentes indissociáveis no processo de evolução da criança; a criança deve ser reconhecida como sujeito e agente do processo educativo; Deve-se exigir resposta a todas as crianças, ou seja, a Escola deve ser para todos e construção articulada do saber.

Por fim e, não menos importante, outro aspeto que achamos fundamental para uma educação de qualidade centra-se no envolvimento que nós, instituição, pretendemos ter com as famílias e com a comunidade local. A cooperação Escola-Família e vice-versa é fundamental para que os processos de aprendizagem sejam mais frutuosos, assim os alunos desenvolvem melhor as suas competências, atitudes e valores de acordo com as suas capacidades. Por outro lado, através do envolvimento da comunidade local e das instituições aqui inerentes, pretendemos que estas colaborem eficazmente com a nossa instituição. É neste sentido que queremos orientar o nosso Projeto de forma a atingir os objetivos a que nos propomos.

É fundamental proporcionar às crianças experiências concretas e significativas colocando-as em interação com o mundo, orientando-as para a descoberta e promovendo o pensamento ativo.

3.4. Valores e Atitudes

As Escolas de São Vicente realçam não só o conhecimento e as aprendizagens mas também os valores morais, éticos e sociais intrínsecos à nossa missão. São eles o respeito pelos outros que passa pela aceitação da diferença; justiça; igualdade; ser amigo e saber perdoar dando oportunidade ao outro de se redimir e evoluir; cooperar com os outros trabalhando em equipa e partilhando experiências; saber ouvir; ser generoso, atencioso e educado; ser humilde e honesto valorizando a verdade; ser responsável, autónomo e independente na medida em que assume as suas escolhas como ser livre; ser trabalhador e gostar daquilo que faz definindo objetivos de vida; ser um indivíduo ativo e pro-ativo na sociedade participando em atividades e idealizando outras; ser confiante na sua própria capacidade de ação desenvolvendo uma atitude de autoestima e respeito por si; ser tolerante e paciente; saber que pertence a uma sociedade onde tem direitos mas também existe regras e leis que deve cumprir e respeitar.

3.5. O Despertar da Fé nas Escolas de São Vicente – A Igreja e a Escola

Nas Escolas de São Vicente as crianças encontram uma educação verdadeiramente integral: aquela em que a vida, desde o início e em todas as suas etapas é vista, experimentada e vivida como um dom “O Amor”.

É esse Amor que queremos transmitir às crianças pois são estas que contribuem para o despertar da fé na família, na comunidade e na escola.

A realidade espiritual na criança é como uma semente que vai crescendo através de uma pedagogia de afetos que designamos por “despertar”.

A vida sustentada na fé, na relação com Deus desenvolve-se como uma amizade, inicia-se na família de forma espontânea num ambiente de paz e harmonia e tem continuidade nas nossas Escolas em situações de rotina ou em momentos organizados.

As histórias, as canções, os gestos, a dança, o desenho são os meios comuns que utilizamos para o “despertar”, vivendo com as crianças os principais momentos litúrgicos: O Natal, A Páscoa, o mês de Maria, entre outros.

Tendo como base estas vivências, vamos incutindo nas nossas crianças o amor, o respeito pela vida e pelos outros, a solidariedade e a partilha de afetos.

Consideramos que, ao difundir esta mensagem, inspiramos toda a comunidade educativa em busca de uma perspetiva mais afetiva, espiritual e bondosa, estimulando a dimensão espiritual da pessoa e da sociedade, educando as atitudes, ações e hábitos de conduta no sentido para uma vida sustentada na nossa fé.

O “Despertar da Fé” é um direito da criança e um dever das educadoras, uma responsabilidade da instituição e que faz parte integrante deste Projeto Educativo enquanto documento orientador das ações das equipas responsáveis pela educação das crianças.

As nossas Escolas colaboram com as famílias na educação dos seus filhos mediante um processo harmonioso na sua dimensão pessoal, social e religiosa, respeitando e aceitando sempre as famílias de diferentes orientações religiosas.

IV. Metodologias e Áreas de Intervenção Educativa

4.1. Metodologias

O Educador deve favorecer um ambiente facilitador de aprendizagem que vá ao encontro das necessidades e interesses das crianças. Assim, é do nosso interesse utilizar um conjunto de metodologias e estratégias diversificadas de forma a atingir os objetivos específicos de cada área de intervenção que achamos pertinentes trabalhar com a população alvo das nossas Escolas.

Temos conhecimento que apesar daquilo que ambicionamos, que é uniformizar os processos inerentes às Escolas, cada uma delas está inserida em contextos sociais diferentes com comunidades diferentes, e por isso temos isso em conta. Contudo, as linhas educativas em que acreditamos são as mesmas para todas as Escolas, cabe ao pessoal docente e não docente encontrar estratégias para integrá-las nas aprendizagens de cada grupo de crianças.

A realidade por vezes exige o recurso a metodologias diversas que vão de encontro à satisfação dos interesses e necessidades da turma e que se traduz na organização do ambiente educativo, nas intenções de trabalho e na previsão de procedimentos de avaliação concentrando-nos assim num Modelo Eclético, onde damos corpo a estratégias diversificadas, criteriosamente integradas em cada situação de ensino-aprendizagem, de acordo com as metas e objetivos definidos e as características quer do grupo, quer de cada criança. Assim, no nosso quotidiano utilizamos estratégias do Modelo da Escola Moderna em que os educadores sugerem uma formação democrática desenvolvendo nos educando os seus valores sócio morais, assegurando a sua plena participação na gestão do currículo Escolar. Outro método privilegiado pelas Escolas São Vicente é o Método High Scope em que se centra no que a criança sabe e consegue, que reconhece cada passo e cada esforço. Contemplamos ainda a autonomia e liberdade com limites e respeito pelo desenvolvimento natural das habilidades físicas, sociais e psicológicas da criança, pontos essenciais do Método Montessori.

Por considerarmos pertinentes todas estas metodologias e teorias pedagógicas, não é nosso interesse utilizar apenas uma, mas sim reunir aquilo que cada uma delas têm de melhor e implementá-las nas atividades de sala mediante o grupo e as necessidades do mesmo, por forma a conseguir promover as aprendizagens inerentes a cada área de intervenção que seguidamente estão referidas.

Assim, o Educador deve ser um mediador e orientador de informação e de atividades, rentabilizando meios disponíveis para a concretização das aprendizagens, utilizando o melhor das metodologias pedagógicas acima referidas para o seu grupo e para a criança como ser individual.

4.2. Áreas de Intervenção Educativa 

4.2.1. Creche

A Creche é um equipamento de natureza sócio educativa, vocacionado para o apoio à família e à criança, destinado a acolher crianças até aos três anos de idade, durante o período diário correspondente ao impedimento dos pais ou de quem exerça responsabilidades parentais. (art.º 3º, despacho normativo nº 99/89 de 27 de Out)

Os objetivos da creche são:

  • Facilitar a conciliação da vida familiar e profissional do agregado familiar;
  • Colaborar com a família numa partilha de cuidados e responsabilidades em todo o processo evolutivo da criança;
  • Assegurar um atendimento individual e personalizado em função das necessidades específicas de cada criança;
  • Prevenir e despistar precocemente qualquer inadaptação, deficiência ou situação de risco, assegurando o encaminhamento mais adequado;
  • Proporcionar condições para o desenvolvimento integral da criança, num ambiente de segurança física e afetiva;
  • Promover a articulação com outros serviços existentes na comunidade.

As Escolas de São Vicente consideram que as seguintes áreas de intervenção na creche são as fundamentais para o crescimento pleno e harmonioso de cada criança. São elas a:

  • A Área da Socialização e Afetividade – É necessária para a formação de pessoas felizes, seguras e capazes de conviver com o mundo que a rodeia, pois é responsável por criar vínculos relevantes e imprescindíveis para a vida. É na creche que se inicia este processo tendo como principal objetivo estabelecer bases para a personalidade humana, inteligência, vida emocionais e sociais da criança.
  • A Área da Autonomia – é a capacidade de se conduzir e de tomar decisões por si próprio, levando em conta regras, valores, a perspetiva pessoal, bem como a perspetiva do outro. Mais do que autocuidado – saber vestir-se, alimentar-se, escovar os dentes ou calçar os sapatos, ter autonomia significa ter vontade própria e ser competente para atuar no mundo em que vive. É na creche que a criança conquista as suas primeiras aprendizagens.
  • A Área Sensorial – quando as crianças têm espaço e liberdade para se movimentar, aprendem a medir a sua força e os seus limites. Elas exercitam-se até que o domínio da ação as faça avançar para o próximo desafio. A criança cresce a tentar descobrir o meio que a rodeia e fá-lo a brincar, para isso ela usa o seu corpo e sobretudo os seus sentidos para observar as pessoas ou objetos em movimento, sentem a temperatura das coisas, ficam atentos a uma voz e põem na boca tudo o que conseguem agarrar. Por meio da exploração, da curiosidade, da observação, as crianças procuram entender o como e o porquê das coisas que os rodeiam;
  • A Área das Expressões (Musical, Plástica, Motora) – esta área abrange vários tipos de expressões, contudo todas elas têm aspetos em comum que é o de desenvolver a imaginação e a criatividade da criança e ainda aprender e relacionar-se com os outros. Na expressão musical, a criança aprende ainda a descriminar sons, palavras, melodias e ritmos. Na expressão plástica desenvolve a destreza manual, a descoberta e organização progressiva de volumes e superfícies. A expressão motora é essencial para a saúde, crescimento e desenvolvimento global das capacidades expressivas, lúdicas, físicas, cognitivas e criativas da criança. Trabalha-se as noções do «eu» e do «outro», abordando o esquema corporal e explorando as suas capacidades físicas como a força e a destreza.
  • A Área Cognitiva – nesta área podemos mencionar o estádio sensório-motor defendido por Jean Piaget em que a inteligência se adapta ao meio. No início, as respostas da criança são essencialmente reflexas e automáticas. Ela repete ações não apreendidas em resposta do resultado satisfatório. Progressivamente o comportamento vai-se tornando menos repetitivo e surge o comportamento experimental: adaptação do comportamento a situações específicas de forma intencional e mediante o método “experiência e erro”. Vai surgindo assim uma inteligência anterior ao pensamento e à linguagem, a inteligência prática, baseada nas consequências das ações. A grande aquisição do estádio sensório-motor é o conceito de objeto permanente sinal do aparecimento da capacidade de representação simbólica.

4.2.2.Pré-escolar

O pré-escolaré a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida, sendo complementar da ação educativa da família, com a qual deve estabelecer estreita relação, favorecendo a formação e o desenvolvimento equilibrado da criança, tendo em vista a sua plena inserção na sociedade como ser autónomo, livre e solidário” (art.º 2º, lei nº 5/97 de 10 de Fevereiro)

Os objetivos do pré-escolar são:

  • Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base em experiências de vida democrática numa perspetiva de educação para a cidadania;
  • Fomentar a inserção da criança em grupos sociais diversos, no respeito, na pluralidade das culturas, favorecendo uma progressiva consciência do seu papel como membro da sociedade;
  • Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso à Escola e para o sucesso na aprendizagem;
  • Estimular o desenvolvimento global de cada criança, no respeito das suas características individuais, incutindo comportamentos que favoreçam aprendizagens significativas e diversificadas;
  • Desenvolver a expressão e a comunicação através da utilização de linguagens múltiplas como meios de relação, de informação, de sensibilização estética e de compreensão do mundo;Despertar a curiosidade e o pensamento crítico;
  • Proporcionar a cada criança condições de bem-estar e de segurança, designadamente no âmbito da saúde individual e coletiva;
  • Proceder à despistagem, deficiências e precocidade, promovendo a melhor orientação e encaminhamento da criança;
  • Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efetiva colaboração com a comunidade.

Para o pré-escolar, as áreas de intervenção que propomos são as que estão estipuladas nas novas Orientações Curriculares para o Pré- Escolar, nomeadamente:

  • A Área de Formação Pessoal e Social – assenta no reconhecimento da criança como sujeito e agente do processo educativo, cuja identidade única se constrói em interação social, influenciando e sendo influenciada pelo meio que o rodeia.
  • A Área de Expressão e Comunicação é a única em que se distinguem diferentes domínios, que se incluem na mesma área por terem uma íntima relação entre si e constituírem formas de linguagem indispensáveis para a criança interagir com os outros, exprimir os seus pensamentos e emoções de forma própria e criativa, dar sentido e representar o mundo que a rodeia.

Os domínios que fazem parte da área de Expressão e Comunicação são os seguintes:

  • Domínio da Educação Motora, que privilegia uma abordagem global não especificando componentes.
  • Domínio da Educação Artística, que, tendo perspetivas e estratégias comuns, engloba diferentes linguagens, cuja especificidade determina a introdução de quatro subdomínios:

Os subdomínios na educação artística são os seguintes:

  • Artes visuais – são formas de expressão artística que incluem a pintura, o desenho, a escultura, a arquitetura, a gravura, a fotografia e outras, que, sendo fundamentalmente captadas pela visão, podem envolver outros aspetos nomeadamente a imaginação e as possibilidades de criação.
  • Dramatização – neste subdomínio são abordadas diferentes formas de comunicação e representação que mobilizam predominantemente os gestos, a voz e o movimento do corpo. O jogo simbólico, ou brincar ao “faz de conta”, é uma atividade espontânea da criança, que se inicia muito cedo, e em que, através do seu corpo, esta recria experiências da vida quotidiana, situações imaginárias e utiliza livremente objetos, atribuindo-lhes múltiplos significados.
  • Música – uma prática sistemática e contínua, com uma intenção específica, direcionada para um desenvolvimento progressivo das competências musicais da criança e o alargamento do seu quadro de referências artísticas e culturais.
  • Dança – é uma forma de expressão que utiliza os movimentos e ritmos produzidos pelo corpo, está intimamente ligada ao teatro, à música e à educação motora. Através da dança, as crianças exprimem o modo como sentem a música, criam formas de movimento ou aprendem a movimentar-se expressivamente, respondendo a diversos estímulos (palmas, sons, imagens, palavras). A dança favorece o desenvolvimento motor, pessoal e emocional, bem como o trabalho em grupo que se organiza com uma finalidade comum.
  • Domínio da Linguagem Oral e Abordagem à Escrita, que considera não só a íntima relação e a complementaridade entre estes dois tipos de aprendizagem da língua, mas também a sua especificidade, levando a apresentá-los separadamente, com a indicação das respetivas componentes.
  • Domínio da Matemática, onde são consideradas quatro componentes que integram as aprendizagens a realizar neste domínio.
  • A Área do Conhecimento do Mundo – através de uma abordagem, contextualizada e desafiadora, esta área vai facilitar o desenvolvimento de atitudes que promovem a responsabilidade partilhada e a consciência ambiental.

4.3. Atividades 

A vida das crianças nas Escolas de São Vicente é recheada de vivências, experiências, aprendizagens, brincadeiras e muito mais.

Oferecemos às nossas crianças estímulos para que mais rapidamente adquiram, ao seu ritmo, as aprendizagens pretendidas.

Assim, para além do que é realizado na sala, as crianças têm a possibilidade de ter outras experiências tão ou mais significativas do que aquelas realizadas em contexto de sala.

Como por exemplo a oportunidade de contactar com os Idosos do nosso lar realizando com eles, atividades enriquecedoras.Consideramos importante a experiência que as crianças adquirem com o contacto com a natureza e o meio que as envolve. O fato de elas terem a possibilidade de tocarem, cheirarem e mexerem na terra é uma prática que atualmente poucas crianças possuem. Por este motivo, levamos as crianças até à serra para que possam terem essa vivência.

Todos os dias sublinhamos a espiritualidade nas crianças concretizando-se posteriormente em atividades mensais realizadas pelas mesmas. Estes dinamismos passam pela celebração de uma missa e entrega de uma flor em honra da N.ª S.ª da Conceição onde estão presentes os pais das crianças, comemoração do dia da N.ª S.ª do Rosário em que as crianças realizam um rosário em sua honra, a comemoração do nascimento de Jesus que é feita através de uma caminhada que se inicia no dia 01 de dezembro e vai até ao dia 25 de Dezembro, nestes dias existe uma mensagem de paz e conforto que é entregue aos pais e familiares das crianças.

Realizamos habitualmente passeios significativos com as crianças nomeadamente ao jardim zoológico, a quintas pedagógicas, à praia, a teatros entre outros. Para nós é fundamental incluir todas as crianças nestas visitas.

No mês de Novembro comemoramos o dia de São Martinho em que incutimos valores como a solidariedade e a partilha. Durante esta semana até ao Natal recolhemos géneros alimentícios por forma a ajudar quem mais precisa.

No primeiro fim-de-semana de Dezembro realizamos o mercadinho de natal aberto a toda a comunidade e onde participam artesãos da mesma por forma a estimular a economia local.

Outras atividades realizadas anualmente nas nossas Escolas são as festas de Natal, de final de ano, do dia da mãe, dia do pai e a semana da família onde convidamos os pais e familiares a estarem presentes e participarem nas nossas atividades.

Temos assim estratégias diversificadas por forma a incluir toda a comunidade nas atividades das Escolas, pois assim, torna as experiências mais ricas e significativas.

É com as experiências recolhidas de todas estas atividades e com esta envolvência e socialização que as crianças obtêm aprendizagens mais significativas.

V. Parcerias

Um dos nossos objetivos é dar a conhecer a imagem e a identidade das Escolas de São Vicente a toda a população. Para isso, é fundamental obter parecerias com outras instituições nomeadamente com outras Escolas particulares ou públicas, universidades e acentuar as já existentes com a Câmara Municipal de Cascais e Junta de Freguesia de Alcabideche.

Acreditamos na importância de estabelecer parcerias com outras entidades, não só para obter maior visibilidade das nossas Escolas, mas também porque consideramos que com elas conseguimos alcançar mais eficientemente as metas a que nos propomos alcançar.

Para além de que é excelente participar nas reuniões periódicas com outras Escolas havendo assim oportunidade de partilhar ideias e projetos, levando a que as Escolas do Concelho estejam em constante sintonia e a par das novidades, mantendo-se atualizadas e modernas.